01 março 2014

Resenha | Esconda-se, Lisa Gardner


Sinopse: Uma mulher que foi obrigada a fugir — desde criança— de uma possível ameaça. Uma ameaça que seu pai via em todo lugar, mas que a polícia nunca considerou. Um antigo e desativado sanatório para doentes mentais que pode ter muito mais a esconder entre suas paredes do que homens e mulheres entorpecidos por remédios. Uma história de rancor entre membros de uma mesma família que nunca conseguiram superar os episódios de violência doméstica que presenciaram. Um pingente que foi parar em mãos erradas — e a cena de um crime brutal: seis meninas mortas e mumificadas há mais de trinta anos. Agora, cabe à famosa detetive D.D. Warren descobrir quem foi o serial killer que cometeu esta atrocidade e que motivação infame deformou sua mente. Acompanhe D.D. Warren na solução de mais este complexo caso e encontre o inimaginável que está por trás de pessoas aparentemente comuns! 

 Salve galera!! Como vocês já sabem, fui convidada a ser colunista do blog "Vícios em páginas". Esta é a minha resenha postada  originalmente por mim lá no blog. Vamos conferir?


Autor: Lisa Gardner
Editora: Novo Conceito
Páginas: 399
Tipo: Livro


Resenha: 



   Eu odeio ser consumida pela curiosidade e a Lisa Gardner sabe bem como me deixar assim. Mais uma vez aqui estou eu com uma revolta deliciosa sobre seu romance policial e minhas vãs tentativas de descobrir por mim mesma o mistério.

   Iniciamos a historia conhecendo a adorável Annabelle Grabger que desde os seus sete anos foge e se esconde junto com sua mãe e seu pai - com sua onisciência que beira a paranoia - de um inimigo perigoso e invisível, o que custa a perda de sua própria identidade.

   Dentre tantos recomeços e fugas inexplicáveis, mesmo após a morte de seus pais, Annabelle - que já adota outro nome – aos 32 anos não esquece os preceitos e medidas cautelosas que aprendeu. Até então, tudo parece ficcional demais para uma boa historia, mas eis que em um dia, lendo a primeira página do jornal Grabger descobre está morta, “seu corpo” de criança é encontrado mumificado junto a outros.

   Toda a investigação gira em torno do mistério que envolve Annabelle e os assassinatos Ignóbeis. Há capítulos narrado pela própria Annabelle e outros por um narrador invisível e conhecedor de todas as coisas – pequeno detalhe que me irritou, gosto da historia contada por apenas UM.

    Diferente do ultimo livro que li da saga, Sangue na Neve, a nossa adorável detetive D.D. não aparece tanto, entretanto temos então o prazer de conhecer e trabalhar com outro personagem que ganha destaque neste, o detetive Bobby Dodge convidado pela própria D.D. a participar das investigações pelos seus conhecimentos. Claro que, Bobby não deixa a desejar e nos cativa com sua personalidade instintiva e profissional.

    Curioso é descobrir que este livro é o 2ª da saga e mais ainda a excentricidade do editor de publicá-los em ordem tão despótica. Embora as ordens das publicações não afetem o entendimento da leitura e dos personagens, creio que é bem mais prazeroso para o leitor conhecer tudo do inicio, ao menos, entenderia melhor a relação que há entre Bobby e D.D.

    A capa desta edição, diferente do livro anterior Sangue Na Neve, não é lá tão atrativa e não descreve com vigor os personagens ou a história.

   A leitura é envolvente do tipo que nos faz contorcer de vontade de entrar num portal para o futuro e descobrir logo como tudo acaba. Por vezes coloquei o livro de lado para iniciar outras leituras, eu nunca antecipava as pistas e sempre errada no “resultado” o que me deixava muito irritada e desesperada para chegar ao fim.

   Contudo, estou louca para poder ler toda a obra em ORDEM de preferencia para não perder nenhum pedacinho.


Beijos, Milla Almeida.

2 comentários:

  1. Nooossa ainda não nada da Lisa mas estou super curiosa, amo livros policiais e sério a Lisa parece ter uma escrita maravilhosa, daquelas de deixar a gente morrendo de euforia e curiosidade o livro inteiro!!! QUero ler!!! Beijos!!!

    http://meudiariojk.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem razão Jully, ela tem uma escrita maravilhosa e a incrível capacidade de nos deixa roendo unhas - infelizmente literalmente!

      Excluir