29 abril 2014

Resenha: Morte Súbita, J. K. Rowling

Sinopse: Quando Barry FairBrother morre inesperadamente aos quarenta e poucos anos, a pequena cidade de Pagford fica em estado de choque.

A aparência idílica do vilarejo, com uma praça de paralelepípedos e uma antiga abadia, esconde uma guerra.

Ricos em guerra com os pobres, adolescentes em guerra com seus pais, esposas em guerra com os maridos, professores em guerra com os alunos… Pagford não é o que parece ser à primeira vista.

A vaga deixada por Barry no conselho da paróquia logo se torna o catalisador para a maior guerra já vivida pelo vilarejo. Quem triunfará em uma eleição repleta de paixão, ambivalência e revelações inesperadas? Com muito humor negro, instigante e constantemente surpreendente, Morte Súbita é o primeiro livro para adultos de J.K. Rowling, autora de mais de 450 milhões de exemplares vendidos.



Autor: J. K. Rowling
Editora: Nova Fronteira
Páginas: 504
Tipo: Livro

Resenha: 

 Algumas pessoas me perguntaram se eu li e por quê ainda não havia resenhado Morte Súbita. É difícil resenhar alguns livros e Morte Súbita foi um desses que classifiquei como difícil. Não por ser difícil descrevê-lo mas porque fui atingida por uma onda gigantesca de fatos e emoções das quais me deixaram sem palavras.

 Se você resolveu ler Morte Súbita porque viu o nome da autora e lembrou de Harry Potter, desista de ler. Uma história não tem nada haver com a outra em todos os aspectos, principalmente quando comparamos os adolescentes de ambas histórias. Inicialmente achava um crime um autor mudar de gênero e foco tão abruptamente mas, logo fui compelida e conquistada. O que tem de mais termos ótimas ideias mesmo que não se assemelhem com as anteriores?

 Toda a história se inicia com a morte de Barry Fairbrother, membro do Conselho Paroquial da pequena cidade de Pagford e por algumas páginas seguintes vemos o impacto deste infortúnio nas pessoas da cidade, seus pensamentos de dor e luto que rapidamente são superados para dar lugar a nova batalha. Neste livro não há um personagem principal mas, conhecemos pouco a pouco várias pessoas desta mesma cidade expondo sue lado lúgrebe e torpe diante o infortúnio descrito nas primeiras páginas do livro já que, lutam arduamente entre si para decidir quem ficará com o cargo do morto. 

 Conhecemos verdadeiramente a mente de cada um deles além de seus mais remotos desejos e pensamentos o que nos faz crer no ótimo trabalho da autora em nos raptar inenarravelmente mesmo estando completamente indignados e arfantes.

 Você vai odiar muitos - talvez todos - personagens deste livro que são donos de adjetivos que mancham a moral de cada um e talvez até identificar algumas pessoas "reais" neles, talvez até você mesmo. O que achei incrível foi a capacidade da autora de humanizar capa personagem, torná-los quase tangíveis ao ponto de eles se refletirem em nosso dia-a-dia.

Enfim, Morte Súbita não é um livro polílito - não inteiramente - nele acompanhamos, brigas, desentendimentos, separações, dramas dos habitantes desta cidade. é difícil iniciar a leitura e pegar o rítio de toda a história mas, logo que "aceitamos" toda a perfeita mediocridade que a compõe - isso inclui os palavrões, drogas, sexo casual, e alguns clichês - torna-se a melhor leitura da sua vida.


Beijos, Milla Almeida.

4 comentários:

  1. Tenho esse livro em casa, mas ainda não li. Parece ser uma obra excelente. Sua resenha me deu vontade de ler o livro.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de Abril

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me apaixonei completamente pela autora graças a esse livro. Leia sim, você vai adorar!
      Obrigada pela visita!

      Excluir
  2. Cara, sempre quis ler esse livro porque é um gênero que eu curto. Não li os livros de Harry Potter por falta de interesse mesmo, mas esse eu leria, com certeza!
    Beijos,
    Renata.
    viciadas-em-livros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Renata, tenho a máxima certeza de que você vai adorar!!!! Depois me conta o que achou! Beijos.

      Excluir