24 agosto 2014

A Escola do Bem e do Mal, Soman Chainani

Sinopse: No povoado de Gavaldon, a cada quatro anos, dois adolescentes somem misteriosamente há mais de dois séculos. Os pais trancam e protegem seus filhos, apavorados com o possível sequestro, que acontece segundo uma antiga lenda: os jovens desaparecidos são levados para a Escola do Bem e do Mal, onde estudam para se tornar os heróis e os vilões das histórias.
Sophie torce para ser uma das escolhidas e admitida na Escola do Bem. Com seu vestido cor-de-rosa e sapatos de cristal, ela sonha em se tornar uma princesa. Sua melhor amiga, Agatha, porém, não se conforma como uma cidade inteira pode acreditar em tanta baboseira. Ela é o oposto da amiga, que, mesmo assim, é a única que a entende. O destino, no entanto, prega uma peça nas duas, que iniciam uma aventura que dará pistas sobre quem elas realmente são.
Este best-seller é o primeiro livro de uma trilogia que mostra uma jornada épica em um mundo novo e deslumbrante, no qual a única saída para fugir das lendas sobre contos de fadas e histórias encantadas é viver intensamente uma delas.Autor: Soman Chainani
Editora: Gutenberg
Páginas: 352
Tipo: Livro


 Sophie e Agatha são "amigas" bem diferentes uma da outra, a pura verdade é que elas não são amigas de verdade, não almenos para uma delas. Elas moram no povoado de Gavaldon que vive um incrível dilema - como já explica a sinopse - além de tudo, as pessoas da cidade, principalmente as crianças, creem que contos de fadas são tão reais quanto suas vidas e que as crianças desaparecidas da cidade ao longo dos anos são as mesmas que aparecem nas história, como vilãs ou princesas/príncipes, essas crianças são sempre levadas pelo diretor da escola do Bem e do Mal

 Sophie, já está na idade em que a maioria das crianças desaparecem e aguara ansiosamente para ser levada pelo diretor da escola, tem meticulosamente tomado todas as precauções para que seja levada a escola do Bem e transformada em uma princesa o que inclui, cuidar de sua aparência, fazer amizade com bruxas e sorrir para pessoas que ela julga terriveis. Por este motivo Sophie busca por Agatha todos os dias em sua casa para lhe fazer companhia e alega ser por pura amizade. Quando o dia finalmente chega as duas "amigas" são levadas - mas, não da forma que você imagina - e algo inusitado acontece.

 Logo no início da leitura distinguimos o bem do mal em cada um dos personagens e a nossa primeira lição é que a aperencia não diz nada sobre o caráter de alguém. O autor fez um ótimo trabalho 'reinventando' a maneira de como os contos de fadas são criados. Sophie e Agatha agora lutam por motivos diferentes, uma quer permanecer na escola da maneira que acha viável e a outra quer voltar para casa e levar consigo sua amiga. 

  Até a metade do livro não conseguia parar e ver o que realmente aconteceria as duas garotas e que novas revelações descobriríamos sobre a Escola e o que há por trás dos contos de fadas, no entanto, a leitura começou a ficar um tanto batida e quase abandonei. Em pouco tempo a história voltou ao 'up' necessário e volta a mexer com a nossa curiosidade nos fazendo ir até o fim para ser surpreendidos - foi o mesmo que me dar um soco no estomago, quase não acreditei.

 Toda a história é narrada em terceira pessoa e os diálogos são caracterizados por aspas " " o que me irrita bastante. Não estou acostumada a ler histórias narradas dessa maneira mas, como estamos a conhecer o 'conto de fadas' dessas duas amigas não poderia ser diferente e a característica da narrativa tinha que ser a das mais tradicionais.

 Devo acrescentar que esperava um pouco mais da Torre do Mal, além do que foi prescrito na história e me fez pensar nas coisas que nos classificam como maus ou bons, será que são só as nossas ações, ou as intenções - mesmo que não revelada? Estou ansiosa aguardando o próximo livro para ver o que realmente aconteceu com nossas garotas, se é que a história irá continuar com elas, contos de fadas podem ser mais que simples histórias. 


 Beijos, Milla Almeida.


7 comentários:

  1. Oi, Milla!

    Nossa, adorei tua resenha! Não sou muito acostumada a ler esse tipo de livro, mas parece ser interessante... Também odeio quando os diálogos são por meio de aspas, dá uma agonia e é muito estranho, né? haha

    Beijos,

    http://viciadas-em-livros.blogspot.com.br/

    (P.S: Essa semana teve um post no blog em que o leitor dá sua opinião sobre coisas que lhe marcaram, vou ficar muito feliz se deixar sua opinião lá, sério <3 http://viciadas-em-livros.blogspot.com.br/2014/08/musicas-e-momentos-e-lembrancas.html)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estranho mesmo. Quando queremos dar aquela olhada masi afrente nada faz sentido.

      Bjs.

      Excluir
  2. Também detesto diálogos caracterizado por aspas. Acho que é o costume de ler sempre com travessão. rs
    Eu não estava muito animado quanto a esse livro e agora desanimei um pouco mais.
    Adorei sua resenha sincera.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de agosto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkk verdade. Que pena, quan sabe você não o dá uma chance mais afrente?

      Beijos.

      Excluir
  3. Hey, Milla! Eu amei essa resenha!
    Até porque eu e minha melhor amiga somos bastaaante diferentes (em praticamente tudo), e acho que essa identificação me deixou com vontade de ler. Além de, é claro, ter a ver com contos de fadas <3 eu admiro muito os estilos tradicionais!
    Fiquei mais curiosa com o acontecimento no final que "surpreenderá" os leitores, ahahaha com essa palavra você me assusta!
    Beeijos, Ingrid.

    utopianuvem.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro contos de fadas também Ingrid e este me deu uma nova visão deles.
      Leia, vai amar.

      Beijos.

      Excluir
  4. Amei a resenha , já tinha visto uma coisinha aqui ou ali sobre esse livro mas não tinha lido de fato nada, até agora .

    Gostei bastante do enredo e acho que posso me surpreender !

    Abraços

    ResponderExcluir