28 abril 2015

CAIXA DE PÁSSAROS


 Sinopse: Caixa de Pássaros - Romance de estreia de Josh Malerman, Caixa de pássaros é um thriller psicológico tenso e aterrorizante, que explora a essência do medo. Uma história que vai deixar o leitor completamente sem fôlego mesmo depois de terminar de ler. 
Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas. Cinco anos depois do surto ter começado, restaram poucos sobreviventes, entre eles Malorie e dois filhos pequenos. Ela sonha em fugir para um local onde a família possa ficar em segurança, mas a viagem que tem pela frente é assustadora: uma decisão errada e eles morrerão.
Editora: Intrínseca
Páginas: 272

Iniciar Caixa de Pássaros não foi um dos maiores desafios que já tive já que, desde o primeiro olhar o desejei. O grande desafio mesmo foi conseguir um exemplar pra leitura.



Caixa de Pássaros surgiu com um  suspense devastador, deixando uma legião de loucos com sua grande imponência. Na turnê Intrínseca ganhou grande ovação mas nem 10% dos presentes já haviam lido. O que mais precisava pra me deixar apaixonada pelo desconhecido?

A história é contada pela Malorie que vai narrar em dois períodos diferentes o presente - onde tenta fugir com duas criança do então assustador e "desconhecido" mal que devastou cidades e talvez o mundo - e o passado, onde nasce os primeiros focos e heresia e homicídio causados pelo "Problema". Este tipo de narrativa vem para nos deixar mais apreensivos já que, no presente, encontramos todo o caos e o perigo de ficar ou fugir e no passado a ansiedade e expectativa de descobrir o que é este mal e porque ele permaneceu vencedor e inabalável por anos.

É completamente desconhecido a motivação dos acontecimentos descritos, sabe-se apenas que iniciou-se com eventos deploráveis onde pessoas matavam as outras próximas a si e depois se matavam. Após algumas semanas foi-se especulado que esses acontecimentos estavam ligados a algo que as pessoas viam, as alucinavam e forçavam-nas a cometer tais atos. Aos poucos o caos se espalhou por bairros, cidades e por todo país, sendo desconhecido quanto mais longe foi levado. As pessoas passaram a se proteger dentro de suas casas bloqueando janelas e portas além de vendar os olhos com medo do que poderiam ver.

Muitos pontos da história são causadores de aflição desde o título do livro ao destino dos personagens. O autor cita - ao que me pareceu propositalmente - várias vezes a palavra caixa o que nos da a falsa esperança de que logo entenderemos o que há por trás do titulo ou história. Outro ponto que nos causa no minimo incomodo constante é que as crianças simplesmente não tem nome, em toda a história a personagem nos apresenta elas apenas como Menino e Menina deixando a impressão de uma mulher louca e insensível já consumida pelo caos. Ambas  crianças aos 4 anos de idade tem habilidades auditivas incríveis treinadas pela própria mãe desde que nasceram como proteção ao "problema" que emergiu no mundo.

Desejei por toda a leitura "ver" este mal mas tinha medo porque sabia que logo iria conhecê-lo. Um paradoxo constante, irritante, meticuloso, claustrofóbico capaz de nos deixar arfando.

Não posso negar que me senti um pouco tonta por não perceber tão aparentemente quem são os sobreviventes desta história e um tanto decepcionada pelo final em si, não pela história mas, pela sensação de NÃO ACREDITO QUE VOCÊ FEZ ISSO COMIGO.

Enfim, não posso deixar de recomendar a leitura e advertir: Mantenha os olhos fechados.




Beijos, Milla Almeida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário