19 maio 2015

LIVROS NACIONAIS OU IMPORTADOS?

 Sempre que esta questão levantada em alguns debates em grupos de leitura os livros internacionais saem ganhando em disparada. A grande questão é, porquê??

 Não se trata de qualidade da escrita ou história. A problemática - atrevo-me a dizer - tornou-se cultural.


 Quanto falamos e livros nacionais logo lembramos dos clássico apresentados nos colégios e ensinados nas aulas de literatura. Nomes como Machado de Assis, Eça de Queiroz, Monteiro Lobato e mais recente Paulo Coelho são citados com muita facilidade e entendimento mas o termo "nacional" é associado puramente as marcantes e antigas obras, esquecendo-se que temos muitos livros e autores contemporâneos que deixaram sua marca com o publico de várias idades.

 A variedade de livros e igualmente autores nacionais hoje é absurdamente grande só que muitas dessas obras ainda passam desconhecidas pela falta de acessibilidade e em alguns casos, divulgação.

 Vejo muitos bons livros que são difíceis de encontrar. Em sua grande maioria por estarem apenas com uma única opção viável para leitura: a leitura de livros físicos.

 Eu, assim como muitos que conheço, tornaram-se adeptos a leitura digital pela facilidade, praticidade e custo inferior aos livros físicos. Claro que não deixamos de ler e colecionar os livros físicos mas, no dinamismo diário é muito mais pratico levar um ou mais livros num bolso do que numa mochila para onde que que vamos.

 A funcionalidades de ter 1000 livros ao alcance das nossas mãos aumenta nosso desejo de experimentar e assim conhecer novas e boas obras, como a maioria ao alcance não são nacionais, não é de se estranhar que numa estante de um leitor brasileiro se predomine a literatura estrangeira.

 Digo isto, como uma experiência pessoal de leitora, aapaixonada por boas historias independente de sua nacionalidade. Rs. Lembro também que me refiro não as obras que já ganharam seu espaço no mundo literário e na mídia, livros que todos conhecem.

  A motivação desta longa dissertação é de apenas expor minha decepção como leitora quando não vejo outras formas de satisfazer o desejo/necessidade de ler e conhecer determinada obra. O que vocês fazem quando isso acontece?

Beijos, Milla Almeida.


NOTA MENTAL: muitos livros nacionais são tão bons quanto importados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário